jeudi 28 juin 2012

Dois posicionamentos!


Escrevo para responder a uma questão que surgiu nos comentários da postagem anterior, afinal o meu papel de mediadora assim o permite.
O debate gira em torno da situação de aprendizagem através de tentativa e erro OU erros e acertos... este pensamento poderia nos levar a recordar a Psicologia da Educação, que  nos trás E. Thorndike (psicologo) estudioso do Condicionamento Operante ou Instrumental, como também  Skinner ( psicologo) e a Aprendizagem por Tentativa e Erro onde, em suas experiencias, as respostas mal sucedidas deixavam de ser tao frequentes, e diminuíam, enquanto que as respostas que levavam ao exito aumentavam.


1-  Em meu feedback efetuei referencias a uma aprendizagem que ocorre aqui no blog observando o modo em que  a editora deste mês imprime em seu desejo de postar e enfrentar as dificuldades da proposta em um ambiente desconhecido por seu próprio interesse (e que saem a contento!) e por diversas vezes, mas  em seu comentário a aluna cita um fascículo direcionando o seu pensamento para uma outra via! Nada contra, mas fica bem melhor esclarecer as duas posições, efetuando assim uma dupla aprendizagem.

O meu posicionamento  foi o de apontar a importância de " enfrentar a situação -problema e desta forma procurar a solução" . Ou seja não ha condicionamento.

2- Em sua resposta a aluna indica um autor que faz referencia a aprendizagem motora, citando Mello (2010, p.36), e este fascículo faz referencia a  Aprendizagem de habilidades motoras, citando 3 tipos de estágios: o Cognitivo quando os erros na execução de habilidades motoras são grosseiros e frequentes!
 e o estagio Associativo entre a ação e a percepção na execução da habilidade motora, ajustando-se assim para as próximas tentativas!E o estagio Autônomo, onde a habilidade já se tornou habitual.

Outro fascículo que aborda e esclarece é o de Damasceno (2009, p.21) no item Skinner e a Ciência do Comportamento - reforço, extinção, punição e generalização. A palavra behavior significa comportamento.

 Foi realmente  muito bom recordar esta disciplina e seu conteúdo, parabéns!

Afinal BLOGAR pode ser considerada uma habilidade, mas na verdade você pode considerar como Literacia Digital, ou seja, uma nova Alfabetização! A aprendizagem de uma nova linguagem! e certamente uma nova competência! Finalizo afirmando que eu, sua tutora, não sou o centro do processo da sua aprendizagem.

mercredi 27 juin 2012

Necessário pensar criticamente

A sua Oficina contemplou apenas uma modalidade esportiva que tem inúmeros adeptos. Como educadora você não é obrigada a ter um conhecimento sobre todos os esportes e sim viabilizar a ampliação do conhecimento e a reflexão critica de qualquer conteúdo. A ampliação do conhecimento acontecera quando, apesar da preferencia dos alunos pelo Futebol, aconteça também o que o fascículo de Esportes Coletivos sugere, (p.66) e com explicações (no quadro 6) Saberes corporais e conceituais do conteúdo esporte. " O primeiro sub eixo denominado saber praticar refere-se ao saber fazer que permita participar[....]em contextos recreativos." mais adiante encontramos " O segundo sub eixo relativo aos saberes corporais foi pensado com o proposito de evidenciar os conhecimentos sobre as diferentes modalidades esportivas [..] praticar para conhecer." O autor cita como exemplo o Softbol, e você em sua postagem citou o futebol americano, e eu pergunto, não seria deste ponto que uma boa educadora poderia efetuar a sua intervenção, ampliando o conhecimento dos envolvidos, ou não! qual a sua opinião! Seremos mesmo o pais do futebol, que tal o vídeo que deixo aqui para você e que representa o minimo de tudo que poderíamos discutir sobre isso.



 

Aluna 6 Outra Experiência como Universitária

Outra experiência que não poderia deixar de compartilhar foi à prática da oficina de Futebol na qual me intimidei de início, porque não tinha experiência com o futebol e compartilhei na plataforma,  durante o seminário de estudos online, que as experiencias eram tao somente ter assistindo um filme de futebol americano Desafiando os Gigantes e ver passar na televisão jogos de equipes brasileiras, e finalmente quando via na rua jovens jogando. Ainda quando cursei Técnico em Meio Ambiente, as meninas da minha turma ajudaram nos jogos de InterClasses, e no último jogo uma menina faltou e  precisavam de alguém para substituí-la, elas insistiram tanto até que eu participei, mas em meio do jogo fiquei toda perdida, porque não entendia de futebol e os meninos da minha sala ficavam me orientando da arquibancada, só faltava fazer gol contra !!!rsrs...e os outros alunos da torcida ficavam comentando: - O que essa menina esta fazendo aí... eles estavam aflitos, como todos os participantes do jogo, que viram que eu não sabia jogar, ninguém me marcou, com isso acabei fazendo dois gols. Em seguida no final do jogo, acabamos ficando em primeiro lugar, e até mesmo ganhei uma medalha.
Postei a foto logo abaixo para descontrair! rs. Guardo ela como lembrança.
E depois todos ficavam apontando, dizendo: - Foi aquela menina que fez os dois gols".
Foi uma oficina de praticas universitarias que não teria escolhido e por não ter feito a inscrição em tempo hábil, acabei  na oficina de futebol, pois desta forma foram distribuídos aqueles que não fizeram sua inscrição em tempo hábil.  Eu nunca gostei de futebol, mas hoje sei do quanto ela foi significante para minha formação, pois um professor de Educação Física não deve trabalhar nas aulas  só o conteúdo que melhor domina ou que gosta, se não fosse a razão da mesma, teria escolhido a de ginástica, dança, práticas inclusivas, dentre outras. E a  visão que eu tinha do futebol mudou completamente, eu via o futebol como algo insignificante para mim. De acordo com Chateau (apud, PETTI, 1995), o jogo tem um importante papel social de "aliviar pressões" do cotidiano. Diferentemente de muitos aspectos da realidade, no jogo é possível realizar a ação novamente, melhorar e mudar a relação com as pessoas, criar e recriar novas situações. Nesse contexto, a criança é estimulada a agir e tem o poder sobre sua ação, pois "´[...] por meio de suas conquistas no jogo, ele afirma no seu ser, proclama o seu poder e sua autonomia" (CHATEAU,1995), p.26).                          Como já havia ressaltado que não entendia de futebol, ao mobilizar mais uma vez o grupo de crianças e jovens fiquei insegura, pois não sabia dominar o conteúdo futebol, pensei "que conteúdo vou trabalhar com esses meninos", com isso pesquisei na internet os principais fundamentos do futebol, mas como realizar a prática sendo que não tinha esse conhecimento, neste momento eu pesquisei no youtube cada fundamento, como o passe, o chute. E na apresentação do seminário de estudos estavam  la o professor especialista de futebol, vale ressaltar que para esse "tiro o meu chapéu" e o mestre de capoeira, que ficou admirado por existir alguém no país do futebol que não gostava e não tinha contato com o futebol, sendo que vivemos no "país do futebol", até mesmo porque compartilhei relatando que a primeira e única vez que assisti um jogo futebol foi na última copa do mundo. 
Isso me faz lembrar da suma importância, como futura educadora, de levar em consideração a realidade, a cultura do aluno, para poder alcançar os objetivos.
Mais um slide para compartilhar!
                              
Futebol
View more PowerPoint from rosistieg

lundi 25 juin 2012

Aprendizagem baseada aparentemente em erros e acertos

Em uma aprendizagem motivada pelo desejo de seguir adiante, ou de superação, aquele que aprende nao desiste perante as dificuldades ou obstáculos. Em sua primeira postagem eu contei 10 tentativas de postagem, como rascunhos, que existe na pagina de edição do blog! Ontem retornei a verificar e encontrei 08 tentativas o que significa que houve uma evolução no seu papel de editora no blog! Parabéns! 
Mas o que importa neste exercício de aprendizagem é o conflito gerado entre a situação e a sua ação em resolve-los!
 Ao ler a sua postagem da oficina encontrei a sua conclusão sobre aprendizagem em ambientes formais e informais. Aqui no blog poderíamos considerar como um ambiente informal, já que a plataforma seria considerada ambiente formal, onde voce articula o aprendizado com as atividades que são depositadas via arquivo, fóruns coletivos e individuais e as atividades didáticas. Observe a quantidade de aprendizagens diferenciadas que a abertura de um ambiente informal proporciona. As aprendizagens ultrapassam o conteúdo curricular do seu curso EaD, mas nao fogem do seu intuito em se formar professora, elas só acrescentam e lhe oferecem o mais importante, a liberdade de ser autora e editora da sua própria pratica.

samedi 23 juin 2012

Aluna 6 - Primeira experiência como universitaria


                                       
Minha primeira experiência em realizar práticas de Educação Física, como aluna universitária, foi a da Oficina de Ludicidade e Arte, mas não tinha um grupo para realizar estas práticas, com isso tive a ideia de convidar crianças e jovens da minha comunidade, pedindo a autorização dos pais, e marquei com as crianças um horário aos domingos e como ainda não tinha nenhuma experiência de trabalhar com crianças e ja que ainda não atuo na área da educação, estava bastante ansiosa. 
Mas independente do espaço, o sujeito pode aprender tanto em ambiente formal, quanto no informal, na escola, em casa, na sociedade, dentre outros.
Quando chegou o dia marcado, o fato de ser em ambiente informal achei que as crianças poderiam não levar a sério e não comparecer , mas quando vi a primeira criança chegando foi contagiante, com isso chegavam cada vez mais crianças e a minha alegria ia aumentado pois constatei que as praticas iriam acontecer e no final, compartilhava o momento com pipoca e suco e com as crianças bastante animadas eu estava convicta de que elas estavam gostando.
Segundo os autores do fascículo de jogo. Na área da Educação Física não há consenso em relação às semelhanças e as diferenças entre o jogo e a brincadeira, pois os limites entre essas duas manifestações culturais são bastante tênues. Piccolo (2009) afirma que somente os “jogos protagonizados” podem ser considerados como sinônimo de brincadeira.
Para Caillois (1990) o jogo é associado a uma desconcentração, diversão, não seriedade, improdutividade, liberdade, criação, sorte ou destreza. Esse autor ressalta o valor pedagógico do jogo, ao afirmar que “[...] cada jogo reforça e estimula qualquer capacidade física ou intelectual. Através do prazer e da obstinação, torna fácil o que era difícil ou extenuante. 
 
 
Fiquei muito feliz em apresentar esse slide no Seminário de atividades complementares- SAC, cada evento para mim era um desafio, pois por meio destes eventos eu teria que falar da experiência da oficina; além de gostar muito dos SACS, eles foram muito marcantes para a minha história no EAD, ou melhor, de suma importância para  minha formação, pois eu tinha aquela barreira de falar em público, principalmente no ambiente formal, mas ao mesmo tempo eu sabia que passar por isso seria importante para vencer essas barreiras.
 Na minha apresentação nos eventos os tutores ficaram surpresos pelo fato de ter conseguido envolver esses meninos a participarem das práticas por ser num espaço informal. Vale ressaltar que foi na garagem e no pátio da casa de meu primo/vizinho e a hora do lanche foi na minha casa que preparei com muito carinho, pois os meus alunos mereceram rsrs...
 

dimanche 17 juin 2012

Planejamento vs Avaliacao

Vejam no INFOGRÁFICO as diferenças entre o que planejamos ou sonhamos e o que, na hora da avaliação tradicional, escolhemos para demonstrar o nosso conhecimento. Devemos levar em conta que a avaliação fazia referencia unicamente a modalidades esportivas. Mas o resultado se torna muito interessante: o futsal e o voleibol foram os escolhidos em sua maioria para representar os conhecimentos relativos aos objetivos procedimentais, atitudinais e conceituais!
Conclusão, muitos se encontram confusos.Entre o realizado na avaliação e o pensado no planejamento.
 

jeudi 14 juin 2012

Aluna 6. Rosinéia

                                                    Mais uma parte de minha vida!
 Essa é o meu primeiro registro na instituição escolar em que estudei.





Aqui já no segundo ano com minha turma e com a professora.













Só tive a oportunidade de ter práticas de Educação Física na quinta série. 
Meus professores!




Tive que passar por todo esse processo, para poder ingressar na faculdade. 
Hoje sei da importância do registro.

Para o autor Francisco Eduardo Caparroz: O registro nos auxilia a termos uma idéia mais clara do passado, como possibilita que revisitemos este passado  para repensá-lo e refletir melhor sobre o mesmo e assim aprofundar nosso conhecimento sobre este e até mesmo ressignificá-lo. 

Na escola, dificilmente me expressava oralmente. Lembro que no Ensino Médio meus colegas falavam que eu atrapalhava a aula de tanto que eu falava (quer dizer, quase não falava) rsrs... 
Também cursei Técnico em Meio Ambiente.




Já participei de filmes pomeranos, dos quais fazem parte do Projeto Acurbe.






Agradeço a Deus, por ele ter me abençoado com o curso EAD.
No começo do curso tinha dificuldades de me expressar, principalmente quando o José Francisco Chicon dava as coordenadas dele. 
Segundo os conceitos de Lacan, o princípio adotado para a execução do trabalho da EaD  é o de uma elaboração sustentada num pequeno grupo, o cartel.  
Pois sentávamos em círculo e cada um tinha que expressar sua opinião.

Estagio (Ronildo)

 Escrevo para deixar um relato de como anda o meu processo de estagio.
Na verdade, me aproximei da escola em meados de fevereiro deste ano, na tentativa de me familiarizar com os espaços fisicos, os alunos, e principalmente com a professora.
Passados todos esses meses, aprendi muitas coisas, e uma delas é que a educação física, que eu acompanhei no ano passado através da pesquisa que nós mesmos realizamos, não é bem aquela que eu vejo acontecendo efetivamente nas escolas. Ou seja, a conclusão que eu tiro do meu estagio, é que, falar de Educação Física escolar, é muito facil para um professor, mas, o dificil é significá-la, para os alunos. Digo isso, porque em muitos momentos eu senti indignação em relação a forma que a EF é tratada pela professora que acompanho no meu estagio, e na forma como os alunos compreendem a sua utilidade para suas vidas.
Sou muito infeliz em saber que ao longo desses meses, eu não consegui efetivar nenhuma aula, pois a professora não me cedeu espaço para isso. Mas por outro lado sou grato a tudo que me aconteceu, inclusive a propria professora, pois, por meio dela tive contato com o futsal, o voleibol, o handebol, modalidades esportivas, as quais eu me encontrava extremamente leigo.
Algumas pessoas já me aconselharam a deixar essa escola, e procurar outra para o meu proximo estagio, só que do meu ponto de vista, eu ainda devo ficar, pois acredito que em algum momento a professora irá compreender a importancia desse estagio para minha formação.
Então só me resta esperar...

Seguem algumas fotos das duas turmas que tenho acompanhado durante o meu estagio.




mardi 12 juin 2012

e-portfolio

Quando todos iniciaram o percurso universitário foram mobilizados a partir do fascículo Memoria Profissional I  para a construção de uma pasta com as atividades e reflexões, com uma organização pessoal, onde todos deveriam ser sensibilizados, ao rever ou folhear, através dos obstáculos e sucessos, da sua formação pessoal.Mas este sera um e-portfolio!
Estas reflexões são ininterruptas, pois neste percurso todos passaram a ter contato com pessoas com diferentes pontos de vista sobre Educação e na atualidade com o estagio, com diversas faixas etárias, ou seja , alunos , professores, responsáveis  e comunidade escolar.
Realmente é uma forma de  captar avanços e as resistências e dificuldades , comprovados por fotos e videos, dos momentos alegres ou tristes.

A estruturação do binômio Teoria e Pratica que compõe o percurso de um professor não se VÊ nos anos iniciais de caminhada.
A mobilização dos conhecimentos conseguidos, para transformar em ação o planejado, conta com uma pouca visão, no agora, do que realmente é a Educação e o Ensino.
Mas ao se, em um relance mais amadurecido, olharmos para trás, enxergaremos com nitidez a caminhada feita.

Sabemos das falhas, mas nos alegram os resultados positivos, que demonstrarão ser fruto de uma firme vontade.

Desejo sempre dar um novo animo a todos vocês! a luta é cotidiana, diária!
Este blog aqui deve ser considerado um E-Portfolio.




lundi 11 juin 2012

o mosaico que envolve o Estagio! para todos.

Vamos inicialmente retornar a um dos primeiros fascículos intitulado Formação Docente e Currículo:

A autora nos fala  em Sacristan (p.18) e os níveis do processo de desenvolvimento a partir de uma objetivação do currículo, e encontramos o currículo prescrito, o currículo apresentado aos professores, o currículo modelado pelos professores, o currículo realizado ( ou não realizado!) e o currículo avaliado!!!
Ao OBSERVAR você constata que o professor flutua principalmente pelos currículos"  modelado e realizado" , e neste ato de observar você encontra coisas boas e possíveis adaptações ao seu ponto de vista!

Por outro lado o fascículo de ESTAGIO 1  nos fala em Mapeamento da realidade onde ira ocorrer a intervenção e a legislação  (orientações normativas!) ,e no fascículo ESTAGIO 2 , encontramos sobre a intervenção didático-pedagógica , planejamentos, objetivos, conteúdos e metodologia e avaliação.

Ao narrar os acontecidos , demonstrativos de RESISTÊNCIA daqueles que tem medo de mostrar o seu trabalho ou sofrer interferências ou impedir a atuação de um estagiário, para ser um futuro professor, poe-se  visível as dificuldades do SER PROFESSOR!

Sem duvida formados em currículos que não expressam a necessidade de auxiliar o estagiário , o mobilizar-se em demonstrar os acertos ( sem duvida , poucos) e principalmente de ser AVALIADO, se mostra dificil, pois ser professor inclui estar fechado na sala de aula e que por favor ninguém incomode! E em aulas abertas como a nossa esta dificuldade fica mais visível!
 Mas não pense que sera somente a nossa área profissional! as outras também!
Eis um processo difícil de ser averiguado, ou seja , a quantas anda a efetiva atuação , a atuação real, qualitativa, da educação brasileira. pois encontramos muitas vezes estatísticas, números, gráficos...

Os acontecimentos que abalam vocês no estagio, partem muitas  vezes do pessoal, a origem muitas vezes se encontra no cognitivo, no psicológico, daquele que se diz professor mas que procura dificultar a visibilidade de suas praticas!
Enfim, estes pormenores tem uma variação, são experiencias diversificadas, dependentes das pessoas envolvidas em um ambiente escolar e em outros casos dependentes da motivação dos alunos, e das experiencias anteriores escolares que também decepcionam aos poucos as crianças!

Super interessante o nosso grupo:
Raynner - alunos a partir de 4 e 5 anos
Dagma - ensino básico 7 e 8 anos ( que aponta o lado bom de encontrar as crianças fora do ambiente escolar)
Fabian - alunos com 9 e 10 anos

E quando encontramos as experiencias do Jorge e Ronildo, os adolescentes já se encontram descrentes!
incrível, não!
Como reverter o processo, sera algo como trabalho de formiguinhas!!!!cada um  responsável por sua parte.










Mauss - Conhecimento e Cultura

Em tempos contemporâneos , de Redes sociais,  a leitura de Mauss no meio acadêmico  se torna um alicerce. Decerto ja existem sociólogos e antropólogos mais atuais, mas eu gostei muito deste seu resgate, principalmente porque a questões culturais sempre dialogam com as questões corporais. 
Nas redes sociais ouvimos e encontramos os seguintes verbos que devem se fazer presentes em nossa vivencia digital, tecnológica: 
Partilhar, criar, remixar, mostrar..... interagir portanto.
A sua postagem foi um acervo cultural bastante valido! e alem disso, esta postagem nos leva ao fasciculo de Dos Anjos (p.22) que versa sobre Corpo e movimento, no modulo, Corpo, aprendizagem social e percepções corporais, onde encontramos que " o corpo é um instrumento natural do homem e cada grupo social imprime uma expectativa em torno dele."  E o autor nos trás também Foucault onde em qualquer sociedade o corpo é locus  de poder, sujeito a coerções domínios ou experiencias de confronto e resistência. E desta forma valorizam algumas tradições e comportamentos em detrimento de outros.




Dar, receber e retribuir são, para Mauss, três momentos distintos cuja diferença é fundamental para a constituição e manutenção das relações sociais. A dádiva opera uma mistura entre amizade e conflito, interesse e desinteresse, obrigação e liberdade. Também mistura as pessoas que se presenteiam, as coisas e as pessoas, as coisas e os espíritos.

jeudi 7 juin 2012

Um pouco da minha historia -aluna 6


                                        Um pouco da minha história!
Os meus antepassados vieram da Pomerania. Em 1872 e 1873 desembarcaram no porto de Vitória,  a Pomerânia era pertencente à Prússia e atualmente território da Polônia. Ao todo, chegaram ao estado do Espírito Santo 4 mil pomeranos.  

No Brasil existem hoje perto de 360 mil descendentes de pomeranos. Alguns dos meus antepassados ajudaram a construir a estrada de Santa Maria de Jétibá, na foto tem gente até levantando o chapéu, comemorando!
Esses são meus bisavós, e culturalmente  a noiva se casava de preto e a minha bisavó casou
de preto.

 Esses são meus  avós, eles íam a benção matrimonial a cavalo, mas minha avó já não se casou de preto e hoje em dia também as pomeranas se casam de branco.
Uma casa típica pomerana de minha avó, hoje em dia, quase já não existem mais casas pomeranas no município.

Já no casamento de meus pais, já usavam carros. Isso me faz lembrar o pensamento de Charles  Chaplin em Tempos Modernos.


Hoje nos tempos modernos podemos perceber a enorme diferença,  que aconteceu ao longo dos anos, mas a minha irmã, por exemplo não abriu mão de preservar a cultura de alguns rituais, pois no seu casamento teve o quebra louça na sexta à noite e o famoso pé de galinha, e no sábado depois da cerimônia e do jantar ocorreu a dança dos noivos, típica do  casamento pomerano.
Segundo Mauss, para educação é interessante refletir que a experiência do corpo é cultural e específica de cada sociedade.
Para Mauss "[...]quando uma geração passa a outra, a ciência de seus gestos e de seus atos manuais, há tanta autoridade e a transmissão se faz pela linguagem".
Essa é a casa onde moro, gosto de interior!

Sou filha de agricultores e aqui podemos perceber uma foto antiga de meu pai na CEASA para vender os produtos que eles mesmos plantavam e colhiam, nessa época a verdura tinha mais valor, em uma lavoura dava para comprar um  micro trator, por exemplo, mas hoje em dia já não é mais assim.



O fato de trabalhar na lavoura, como já havia ressaltado que os tempos mudaram, fez com que eu optasse por um emprego com uma renda fixa e o meu primeiro emprego foi o qual ainda atuo, sou Agente de Saúde.