jeudi 7 juin 2012

Um pouco da minha historia -aluna 6


                                        Um pouco da minha história!
Os meus antepassados vieram da Pomerania. Em 1872 e 1873 desembarcaram no porto de Vitória,  a Pomerânia era pertencente à Prússia e atualmente território da Polônia. Ao todo, chegaram ao estado do Espírito Santo 4 mil pomeranos.  

No Brasil existem hoje perto de 360 mil descendentes de pomeranos. Alguns dos meus antepassados ajudaram a construir a estrada de Santa Maria de Jétibá, na foto tem gente até levantando o chapéu, comemorando!
Esses são meus bisavós, e culturalmente  a noiva se casava de preto e a minha bisavó casou
de preto.

 Esses são meus  avós, eles íam a benção matrimonial a cavalo, mas minha avó já não se casou de preto e hoje em dia também as pomeranas se casam de branco.
Uma casa típica pomerana de minha avó, hoje em dia, quase já não existem mais casas pomeranas no município.

Já no casamento de meus pais, já usavam carros. Isso me faz lembrar o pensamento de Charles  Chaplin em Tempos Modernos.


Hoje nos tempos modernos podemos perceber a enorme diferença,  que aconteceu ao longo dos anos, mas a minha irmã, por exemplo não abriu mão de preservar a cultura de alguns rituais, pois no seu casamento teve o quebra louça na sexta à noite e o famoso pé de galinha, e no sábado depois da cerimônia e do jantar ocorreu a dança dos noivos, típica do  casamento pomerano.
Segundo Mauss, para educação é interessante refletir que a experiência do corpo é cultural e específica de cada sociedade.
Para Mauss "[...]quando uma geração passa a outra, a ciência de seus gestos e de seus atos manuais, há tanta autoridade e a transmissão se faz pela linguagem".
Essa é a casa onde moro, gosto de interior!

Sou filha de agricultores e aqui podemos perceber uma foto antiga de meu pai na CEASA para vender os produtos que eles mesmos plantavam e colhiam, nessa época a verdura tinha mais valor, em uma lavoura dava para comprar um  micro trator, por exemplo, mas hoje em dia já não é mais assim.



O fato de trabalhar na lavoura, como já havia ressaltado que os tempos mudaram, fez com que eu optasse por um emprego com uma renda fixa e o meu primeiro emprego foi o qual ainda atuo, sou Agente de Saúde.






3 commentaires:

  1. Parabéns pela postagem Rosinéia, podemos observar o quanto você evoluiu e continua evoluindo no decorrer do curso.
    Muito legal você valorizar o passado e a família, pois a base familiar é de extrema importância para que nós possamos ter acesso a uma educação de qualidade.
    Grande abraço.

    RépondreSupprimer
  2. E ai Rosinéia....parabens por sua postagem, como Jean disse, sua evolução é vísivel, antes era necessário solicitar que você falasse algo, colocasse para fora suas idéias...hoje, é preciso falar: "Rosinéiaaaaaa, fica quieta mulher, ta falando de mais..." rsrs
    O universo acadêmico provocou relevantes mudanças em sua vida...
    Parabens...
    abração

    RépondreSupprimer